×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Publicidade
Made in L

Os miradouros na Lisboa antiga

As melhoras vistas da capital do antigamente

By Inês Santos Agosto 12, 2019

As sete colinas de Lisboa trouxeram-lhe o relevo ideal para a existência de muitos — e belíssimos — miradouros.

Aqui na Lisboa Secreta, já partilhámos com vocês o nosso top 10 dos melhores miradouros da cidade. Mas já pensaste como seriam estes lugares noutra época e qual a perspetiva que ofereciam da Lisboa do antigamente? Este artigo dá-te a resposta!

  • Jardim do Torel

Foi uma quinta do início do século XVIII que deu origem ao Jardim do Torel, situado bem no topo da Colina de Santana. Em janeiro de 1928, o terreno foi cedido à Câmara Municipal de Lisboa, que aqui construiu o jardim e o miradouro. É o sítio ideal para usufruir de uma vista deslumbrante da parte ocidental de Lisboa, do vale da Avenida da Liberdade e da colina de São Roque, que alberga o jardim de São Pedro de Alcântara.

Morada: Rua Júlio de Andrade (Campo Mártires da Pátria)

Foto: Artur Pastor | s.d.
Foto: Artur Pastor | 1960-9
  • Miradouro da Senhora do Monte

Construído junto à Capela da Senhora do Monte, este miradouro oferece uma bela vista panorâmica da cidade. Conseguimos ver Lisboa desde o Castelo de São Jorge até à zona Norte onde imperam os edifícios mais recentes e onde, antigamente, a construção era inexistente, havendo espaço para campos verdejantes.

A ermida que existia no lugar da Capela datava de 1147 e era dedicada a São Gens. Após o terramoto de 1755, foi reconstruída, originando a capela que agora se conhece.

Morada: Largo do Monte (Graça)

Foto: Autor desconhecido | 1946 [AML]
Foto: Kurt Pinto | [194-] [AML]
Foto: Arnaldo Madureira | 1959 [AML]

  • Miradouro de São Pedro de Alcântara

Em frente do Castelo de São Jorge, o miradouro de São Pedro de Alcântara localiza-se no jardim com o mesmo nome, e oferece-nos uma panorâmica única, rara de conseguir a partir desta colina. O miradouro foi erigido num jardim inaugurado em 1864 e que, no final do séc. XIX, era “espaço de recreio e lazer da burguesia”.

Aqui pode ainda ser observado um painel de azulejos da autoria do famoso artista Fred Kradolfer (Zurique | 1903 – Lisboa | 1968), criado em 1952 e que mostra os principais pontos a avistar a partir deste miradouro à data.

Morada: Rua de São Pedro de Alcântara (Bairro Alto)

Foto: Mário Novais | 1949 [AML]
Foto: Mário Novais | s.d.
Foto: Anselmo Franco | 1919 [AML]
  • Miradouro de Santa Luzia

Quando o plano é observar Alfama e o Tejo, este é o local. O miradouro foi construído junto à Igreja de Santa Luzia (também chamada de São Brás), cuja origem parece remontar ao séc. XII. Ao centro do jardim do miradouro há o busto do olisipógrafo Júlio de Castilho, inaugurado a 25 de julho de 1929. Mais tarde, foram acrescentados os belíssimos painéis de azulejo que compõem o espaço e que narram acontecimentos marcantes da história de Lisboa.

Funcionou neste miradouro a Biblioteca Jardim Júlio de Castilho, uma das 12 bibliotecas móveis que estiveram em atividade em jardins lisboetas entre o final dos anos 40 e o início dos anos 60 do séc. XX.

Morada: Largo de Santa Luzia (Alfama)

Foto: Eduardo Alexandre Cunha | s.d. [AML]
Foto: Estúdio Mário Novais | 1949 [AML]

  • Miradouro de Santa Catarina

Em obras de remodelação desde agosto de 2018, o miradouro de Santa Catarina oferece-nos uma vista sobre o Tejo, a zona de São Paulo e, a ocidente, a Lapa e a Madragoa. A estátua imponente do Adamastor, figura celebrizada por Luís Vaz de Camões n’”Os Lusíadas”, é a peça dominante deste miradouro e foi aqui colocada em 1927.

Publicidade

Morada: Rua de Santa Catarina (Misericórdia)

Foto: Fernando Matias | 1959 [AML]
Foto: Paulo Guedes | c. 1940 [AML]
Foto: Artur Pastor | 1968 [AML]

  • Miradouro do Monte Agudo

Datado dos anos 50, este miradouro apresenta uma vista ampla da cidade, do Tejo até às Avenidas Novas, sendo o local ideal para observar o Bairro das Colónias e toda a zona de Arroios. Destaque ainda para a pérgula, local ideal para descansar, observar a paisagem ou admirar o pôr-do-sol.

Além de estar rodeado por um parque florestal, este miradouro serve ainda de ligação entre a Rua Heliodoro Salgado e a Rua Ilha do Príncipe.

Morada: Rua Heliodoro Salgado, 83 (Penha de França)

Foto: Arnaldo Madureira | 1959 [AML]
Foto: Arnaldo Madureira | 1959 [AML]

  • Miradouro da Graça

Situado na Colina de Santo André, o miradouro da Graça — batizado, em 2009, Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen — deixa-nos ver Lisboa até onde a vista alcança. Espreitamos o Castelo, a Mouraria, o Martim Moniz, a Baixa, o Convento do Carmo, Monsanto, o Cristo Rei, até Almada. À sua direita, a Igreja e o Convento da Graça, construído no século XIII.

A poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen viveu ali bem perto, no nº 57 da Travessa das Mónicas, e muito tempo aqui passou a contemplar a cidade.

Morada: Calçada da Graça (Graça)

Foto: Artur Pastor | 1955-70 [AML]
Foto: Arnaldo Madureira | 1959 [AML]

  • Miradouro do Castelo de São Jorge

A vista do Castelo de São Jorge é talvez das mais panorâmicas e aqui a sensação é mesmo de que temos Lisboa aos pés. Tanto vemos Alfama como espreitamos a Baixa e os olhos conseguem ir até às novas áreas da cidade.

Mas desenganem-se aqueles que pensam que este é o Castelo “original”. O seu aspeto atual deve-se a uma vasta campanha de reconstrução patrimonial levada a cabo pelo Estado Novo no final da década de 1930.

Morada: Castelo de São Jorge (Castelo)

Foto: Paulo Guedes | [19–] [AML]
Foto: Paulo Guedes | [19–] [AML]
Foto de capa: Artur Pastor | 196- [AML]