×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
O Que Fazer

Bairros de Lisboa: Alfama, o mais tradicional e pitoresco da capital

Valter Leandro Valter Leandro - Editor

Bairros de Lisboa: Alfama, o mais tradicional e pitoresco da capital

Alfama é sinónimo de Lisboa, de bairrismo e do mais pitoresco que podemos encontrar numa cidade moderna. Bem-vindos a Alfama!💛

Acreditamos que bastariam uma dúzia de boas fotografias para mostrar como Alfama é um dos bairros mais pitorescos de Lisboa, também ele com a sua alma, com as suas tradições e gentes únicas e, claro, com uma história em cada esquina e ruela. Afinal, quem vai a Alfama e não se perde, é sinal que ainda não a conhece totalmente.

Esta é uma das “portas” de entrada no bairro de Alfama, a partir do Largo do Chafariz de Dentro

De onde vem o nome “Alfama”?

O termo “alfama” remonta desde o tempo dos mouros e das fontes termais de água quente, chamadas em árabe de “al-hammã”, ou fontes de águas quentes. É daí que deriva o nome Alfama.

Aliás, esta é uma das mais fincadas influências árabes que ainda hoje possuímos desde a invasão moura: as palavras começadas por “al”, como alcântara, aldeia, alface, alfaiate, algema, entre muitas outras.

Vale mesmo a pena “explorar” cada beco, esquina e ruela de Alfama

Bairro de gente gentes genuínas e com uma arquitetura ímpar

O bairro de Alfama é, de longe, um dos mais conhecidos e visitados de Lisboa. Noutros tempos, as ruas e ruelas deste típico bairro lisboeta estariam cheias de turistas, a vaguear de um lado para o outro, a perderem-se, de câmara fotográfica em punho, a captarem fotos de tudo o que mexesse.

Hoje, mais tranquilo devido à pandemia, nem assim se deixa de sentir a vida bairrista. De um prédio para o outro ouvem-se conversas soltas, nas esquinas duas vizinhas metem a conversa em dia enquanto descansam os sacos pesados das compras e, claro, nas lojas abertas ouve-se o regatear de clientes com os comerciantes locais.

Duas vizinhas põem a conversa em dia enquanto seguem para as compras do dia a dia
Junto ao comércio tradicional é habitual juntarem-se algumas pessoas para dois dedos de conversa
O comércio local centra-se nas típicas casas de Fado e, claro, nas deliciosas ginjinhas

Alfama é uma aldeia dentro da capital, mas é uma comunidade unida, que sabe o que vale para a sua cidade, no que respeita à cultura e à tradição.

É um prazer passear por estas ruas apenas para sentir esta alma, a pureza das palavras dos seus residentes, que também merece lugar de destaque em várias das suas antigas paredes.

Tal como acontece no bairro da Mouraria, este foi um trabalho encomendado à artista Camilla Watson, que assim homenageou alguns dos residentes mais conhecidos deste bairro.

Homenagem aos residentes de Alfama pela artista Camilla Watson

As ruas e ruelas, no chão e no céu

É incrível olhar para o céu quando estamos embrenhados nas ruas de Alfama. Parece que, ali em cima, existe outra Alfama, outras ruas, também elas estreitas que vão dar a sítios únicos e deslumbrantes. 

Alfama é um convite a deixar o GPS em casa. Em Alfama tens de te deixar perder, sem saberes onde estás. Só assim é que vais ficar a conhecê-la… até a visitares novamente e encontrares ainda mais sítios espetaculares.

Publicidade

Fado e arte em todo o lado

Seja lá onde for que tenha “nascido” o Fado, se em  Alfama, no Castelo, na Mouraria, no Bairro Alto ou na Madragoa, é neste bairro que se centram todas as atenções para a nossa música mais popular. E as Casas de Fado, existentes um pouco por todo o bairro, fazem questão de demonstrar isso mesmo, com sessões que ecoam por todo o bairro, seja de dia como de noite.

Alfama é o local na cidade onde existem mais Casas de Fado. É também em Alfama que se encontra o Museu do Fado

Numa zona onde o Fado é rei, tem de haver um apoio condizente

Também podes ler: conhece um pouco mais sobre o Museu do Fado


Além do Fado também existem outras artes, sendo que as artes plásticas estão visíveis em muitas das paredes inclinadas e antigas deste bairro.

Algumas perfeitamente enquadradas no ambiente onde foram criadas (quem somos nós para julgar?), nenhum dos murais ou manifestações artísticas que vimos em Alfama nos causou estranheza, por julgarmos, por exemplo, que não pertenceria ali, que não se coadunava com este bairro.

Mas atenção, porque nem em Alfama nem em nenhum bairro de Lisboa estará tudo impecavelmente “limpo”. Também aqui vais encontrar muitas paredes sujas, cheias de rabiscos, o habitual de quem dá pouco valor à beleza bairrista. Mas é, contudo, uma condição com que já todos devemos contar, não é?

Outros pontos interessantes e as datas mais importantes de Alfama

Quem visita Alfama tem de ir, obrigatoriamente, ao Miradouro de Santa Luzia. E se não quiseres ir a pé – o que desaconselhamos – até existe um elevador com viagens grátis até este ponto, onde terás uma vista espetacular sobre parte da cidade de Lisboa, principalmente para o Tejo e para o terminal marítimo (onde costumam atracar os paquetes com turistas).

Entrada para o elevador de transporte até ao Miradouro de Santa Luzia. As viagens são gratuitas.
O Miradouro de Santa Luzia é uma autêntica “janela” para o Tejo não é? | Fotografia de @josefmagalhaes

Vais também encontrar a Porta de Alfama e a Torre de São Pedro, dois locais com uma história incrível e, não muito longe, o Mosteiro de São Vicente de Fora, sobre o qual poderás conhecer mais curiosidades neste artigo.

mosteiro de são vicente de fora
Mosteiro de São Vicente de Fora | Fotografia de @Deensel

Também podes ler: os nossos sítios imperdíveis em Alfama


Quanto à data mais importante para Alfama, sem dúvida os Santos Populares na celebração do Santo António, nos dias 12 e 13 de junho, que é quando este bairro ganha ainda mais vida e mais alegria, com festas até altas horas da madrugada.

Já nos perdemos no número de palavras que deveríamos escrever sobre Alfama. Mas não faz mal. Quando falamos deste bairro é normal que isso aconteça, que os adjetivos para o descrever fluam naturalmente. Adoramos visitar Alfama 💛

E que tal um saltinho até outro bairro típico lisboeta? Carrega aqui para descobrires qual é!

Foto de capa: @joao-reguengos
Fotos: @vleandro