×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Guias Secretos O Que Fazer

Praça de Luís de Camões, o ponto de encontro da cidade

Valter Leandro Valter Leandro - Editor

Praça de Luís de Camões, o ponto de encontro da cidade

Entre o Chiado e o Bairro Alto, a Praça de Luís de Camões, também conhecida como Largo de Camões, é uma das mais badaladas da cidade. 💛

O Largo de Camões é uma das zonas mais movimentadas da cidade, e a razão é simples de explicar: fica mesmo na interseção de dois dos bairros mais típicos  de Lisboa, Chiado e Bairro Alto, sempre cheios de vida e com muitos locais de interesse, o Chiado para fazer compras e o Bairro Alto para comida e diversão noturna.

A Praça Luís de Camões foi inaugurada em 1867 e é uma homenagem a um dos nossos maiores escritores, o autor da epopeia “Os Lusíadas”.

É por isso que nesta praça se situa uma estátua em bronze fundido da autoria de Vítor de Bastos em sua homenagem, cercada por outras estátuas mais pequenas, que representam oito personalidades nacionais ligadas às Letras e às Ciências: os cronistas Fernão Lopes e Gomes Eanes de Azurara; os poetas épicos Jerónimo Corte Real, Francisco de Sá Meneses e Vasco de Quevedo; os historiadores Fernão Lopes de Castanheda e João de Barros; e o matemático e cosmógrafo-mor Pedro Nunes.

A estátua pesa 9.700 kg e, juntamente com o pedestal em pedra lioz, possui uma altura de 11,49 metros.

Foto por @rubenmneves

Ponto de encontro

Como também podes apreciar pela fotografia em cima, a calçada portuguesa ao redor da estátua de Luís de Camões apresenta elementos que lembram a sua grande obra “Os Lusíadas”, como o mar, sereias, caravelas e naus. Nesta praça vais ainda encontrar imóveis pombalinos e zonas de descanso, muitas vezes aproveitada pelas pessoas que fazem deste largo um ponto de encontro.

A Praça de Luís de Camões é um agradável espaço aberto, não muito extenso, e serve, muitas vezes, de palco a vários tipos de manifestações, sejam elas políticas, religiosas e até de publicidade de marcas, que encontram aqui um espaço onde podem mostrar e promover os seus produtos e serviços.

Parque de estacionamento/museu

Como nesta zona da cidade é muito complicado estacionar, por baixo desta praça vais ainda encontrar um parque de estacionamento pago, onde se diz que foram descobertas ruínas do Palácio do Marquês de Marialva e dos Casebres do Loreto, destruídos com o terramoto de 1755.

Nas escadas de acesso a este parque, vais encontrar algumas destas peças em exposição, uma espécie de pequeno museu subterrâneo que vale a pena visitar para conhecer um pouco mais sobre esta zona lisboeta antes do terramoto.

Publicidade

Além de muito movimentada, esta praça é ainda ponto de passagem de alguns dos mais emblemáticos elétricos da cidade, como o mítico 28 ou o não menos importante 24, que por aqui passam todos os dias para gáudio de quem visita a cidade.

Foto por @duartemoura

Já que estás por aqui…

Perto da Praça de Luís de Camões vais ainda encontrar uma série de outros locais onde vale mesmo a pena uma visita mais demorada.

Por exemplo, para almoçar ou jantar, o Palácio do Chiado é a nossa sugestão; para beber um café na companhia de outro poeta mundialmente famoso, Fernando Pessoa, aconselhamos o famoso Café A Brasileira; para comprar um livro, a livraria Bertrand do Chiado, a mais antiga do mundo; para conhecer mais sobre locais icónicos da cidade, tens de visitar as Ruínas do Convento do Carmo, onde agora podes assistir a uma experiência imersiva única, através do Lisbon Legends; e, claro, para passear, não te esqueças de descer a Rua Garrett até aos Armazéns do Chiado e aproveitar para subir o adorado Elevador de Santa Justa.

Foto por Valter Leandro

Aqui perto fica ainda uma das ruas mais bonitas do mundo, a Rua da Bica; e uma das esplanadas com miradouro sobre o Tejo mais badaladas da cidade, o Adamastor (Miradouro de Santa Catarina).

rua da bica
Foto por @denisgiacobelis
rua da bica
Foto por @mundo_ovo

Ah, quase que nos esquecíamos: não deixes de provar um pastel de nata da Manteigaria, que fica muito perto da Praça de Luís de Camões.

Foto de capa: @Pixabay