×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Notícias

Supermercados sem restrições de horários no novo confinamento

Valter Leandro Valter Leandro - Editor

Supermercados sem restrições de horários no novo confinamento

No novo confinamento geral anunciado ontem, não estão previstas restrições de horários em supermercados, hipermercados e mercearias. 🛒

O primeiro-ministro António Costa comunicou ontem, dia 13 de janeiro, que o país vai entrará num novo confinamento geral a partir desta sexta-feira, dia 15 de janeiro, com medidas muito semelhantes às tomadas na primeira fase, há quase um ano.

Contudo, existem algumas diferenças em relação ao primeiro confinamento do país, como a manutenção de todos os estabelecimentos de ensino abertos, a possibilidade de ir à missa ou a continuação dos jogos de futebol da liga principal e seleções.

O que também mudou foram as restrições aos supermercados, que no primeiro confinamento tinham regras de funcionamento bastante mais apertadas, mas que agora deixaram de ter restrições, assumindo-se que apenas podem estar 5 pessoas por cada 100m2, devendo estas respeitar todas as normas de segurança e higiene recomendadas pelas principais autoridades de saúde, nomeadamente o uso de máscara de proteção.

Foi neste sentido que o primeiro-ministro António Costa apelou a todos os portugueses,

Não há nenhum motivo para que as pessoas corram para os supermercados ou hipermercados porque vai tudo manter-se em funcionamento e nada de essencial faltará nas prateleiras.”

@anna-shvets

Contudo, não penses que podes ir aos supermercados fazer qualquer tipo de compras. Uma vez que muitos deles também vendem outro tipo de artigos, como roupa, livros e objetos de decoração, o ministro de Economia avançou que estas superfícies comerciais estavam impedidas de vender este tipo de produtos. 

Publicidade

Outros serviços com e sem restrições

Aos supermercados, hipermercados e mercearias juntam-se também as farmácias, as padarias, os consultórios, os dentistas e outras atividades de comércio e retalho ou prestação de serviços de primeira necessidade, como feiras e mercados que vendam produtos alimentares.

Também os serviços públicos vão manter-se abertos, sob a condição de marcação prévia. Tribunais e instituições bancárias, tal como aconteceu na primeira vaga, também vão estar abertos durante este período de confinamento.

Por outro lado, os restaurantes passam apenas a funcionar em regime de take-away ou entregas em casa; os cabeleireiros e barbearias encerram; assim como também fecham ginásios e espaços culturais.

Foto de capa: @imants-kaziluns