×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Notícias

Vêm aí novas zonas de estacionamento, dístico gratuito para moradores e estacionamento à porta

Descobre tudo sobre o novo Regulamento Geral de Estacionamento

Nelson Rodrigues Nelson Rodrigues

Vêm aí novas zonas de estacionamento, dístico gratuito para  moradores e estacionamento à porta

Se costumas estacionar o carro em Lisboa, prepara-te porque a Câmara de Lisboa está a preparar novas regras para a EMEL que vão provocar uma mini-revolução. Para uns vai ser bom, para outros nem por isso…

Comecemos pelas boas notícias para os moradores: estes vão passar a ter um dístico de residente gratuito (agora custa 12€) e as famílias com três ou mais filhos (e o mais novo tiver menos de 2 anos) terão direito a um lugar reservado à porta de casa.

Mas o novo Regulamento Geral de Estacionamento e Paragem na Via Pública também tem um reverso da medalha, sobretudo para quem vem de fora da cidade ou estaciona fora da sua zona de residência.

Isto, porque a EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) vai criar duas novas zonas tarifárias, mais caras do que as existentes atualmente.

Assim, além da atuais zonas verde (0,80€), amarela (1,20€) e vermelha (1,60€), serão criadas ainda a castanha e a preta, que custarão dois e três euros por hora, respetivamente (até um máximo de duas horas).

Os limites destas áreas ainda não foram avançados, mas deverão ser criadas no chamado Eixo Central da cidade, que vai da Avenida Fontes Pereira de Melo à Avenida da Liberdade.

Publicidade

Mas as alterações não ficam por aqui: os moradores que tenham três carros terão de pagar mais pelo dístico e quem utiliza a segunda zona de residente passará a poder estacionar nas áreas vermelhas.

De acordo com o vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar, o objetivo deste novo Regulamento Geral de Estacionamento e Paragem na Via Pública passa por “melhorar a disponibilidade de estacionamento na via pública para os residentes”.

O documento vai estar sujeito a consulta pública ainda este mês e as primeiras medidas deverão entrar em vigor entre o final deste ano e o início do próximo.

Foto de capa: @unsplash.com/@zdenekklein