Sabes porque é que a bandeira LGBTQ+ tem as cores do arco-íris? - Lisboa Secreta
×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Arte & Cultura

Sabes porque é que a bandeira LGBTQ+ tem as cores do arco-íris?

By Giulia Trecco Junho 26, 2020

Há 40 anos, em 1978, era apresentada ao público a bandeira LGBTQ+, durante desfile do orgulho gay nos Estados Unidos. Conheces a origem? 🏳️‍🌈

O responsável pela criação foi o artista Gilbert Baker, um militar que após ser dispensado com honras do exército foi morar para São Francisco, na Califórnia, nos Estados Unidos.

O artista foi desafiado por Harvey Milk – o primeiro político gay eleito nos Estados Unidos da América – a desenvolver um símbolo para o Dia da Liberdade Gay de São Francisco de 1978, considerada a precursora da parada de orgulho LGBT moderna.

Fontes sugerem que Baker teve fortes inspirações na canção “Over the Rainbow”, além de se basear no movimento hippie, em que o arco-íris era um símbolo de paz e harmonia.

Baker transmitiu através da bandeira ideias de diversidade e inclusão, escolhendo o arco-íris, um elemento da natureza, para representar que a sexualidade é um direito humano. Desta forma, a bandeira arco-íris tornou-se num poderoso símbolo do movimento LGBTQ+.

Trinta voluntários colaboraram na produção das primeiras bandeiras, tingindo-as à mão e costurando as duas primeiras bandeiras para o desfile.

A bandeira LGBTQ+ que todos conhecemos lembra o fenómeno natural do arco-íris, mas, na verdade, as cores têm outro sentido. A bandeira possui oito faixas e cada uma delas tem um significado especial:

significado-da-bandeira-lgbt
@dicionariodesimbolos

Durante algum tempo, o movimento LGBT chegou a incluir na bandeira a cor preta, em homenagem às vítimas do HIV. Assim, a bandeira trazia também uma mensagem forte sobre toda a comunidade. Contudo, hoje em dia a doença já não está ligada à comunidade gay e percebeu-se a importância de distanciar-se dessa ideia.

Sabes a razão de junho ser o mês do orgulho LGBT?

Foto de capa: @Marcha do Orgulho LGBTI+ em Lisboa
Edição: Valter Leandro