×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...
Restaurantes

O Rice Me tem doces de Natal sem glúten, mas com todo o sabor

Bolo-rei, bolo-rainha, rabanadas e sonhos: quatro sugestões saudáveis para provar sem preconceitos

By Nelson Rodrigues Dezembro 8, 2018

Sem glúten, sem lactose, com baixo teor de açúcar. Antes de começares a torcer o nariz a estas palavras abre o espírito, alarga horizontes e, como dizia a outra, “não negues à partida uma ciência que desconheces”.

Pronto, OK, nós também fomos lá com um pé atrás (shiuuuu… não digas a ninguém), mas acabámos a lamber os dedos e a fazer aquela figura deselegante do “posso comer mais um?” e do “levar para casa? Já que insiste. Pode encher a caixa, se faz favor”.

De facto, o Rice Me consegue provar que é possível fazer doces de Natal sem glúten, sem lactose e com baixo teor de açúcar, sem perderem aquele sabor especial que faz parte do nosso imaginário de Natal.

Até pode não ser exatamente igual ao que estás habituado (anda lá próximo), mas não deixa de ser guloso e tentador. E, claro, também é mais saudável que a maioria das opções disponíveis pela cidade.

Foto: Nelson Jerónimo Rodrigues

Durante o mês de dezembro, este restaurante de São Sebastião especializado em arroz serve quatro doces bem típicos: o bolo-rei, o bolo-rainha, as rabanadas e os sonhos.

Os dois primeiros são feitos com farinha à base de arroz e trigo sarraceno biológico, têm pouco açúcar e não levam corantes nem conservantes. No caso do Bolo Rei, até as frutas cristalizadas são feitas no local.

Os sonhos também têm farinha de arroz (sem glúten) e são cobertos por uma deliciosa calda caseira, preparada pela mãe da proprietária do restaurante.

Foto: Nelson Jerónimo Rodrigues

Por fim, as rabanadas, são confecionadas a partir de pão de arroz, envolvidas em açúcar e feitas no forno, para evitar a fritura.

Podes provar estes doces todos os dias no Rice Me mas, se preferires, também tens a possibilidade de encomendar (na véspera) e levar para casa. É desta que os teus Natais vão passar a ser mais saudáveis?

Foto de capa: Nelson Jerónimo Rodrigues