11 sítios imperdíveis em Belém

Roteiro obrigatório da zona mais monumental da cidade

É dos bairros da cidade com mais monumentos e museus por metro quadrado e percebe-se porquê. Afinal, foi daqui que partiram os navegadores portugueses à conquista do mundo. Hoje, são os turistas que invadem a zona, impressionados com a História e a monumentalidade desta faixa à beira-Tejo.

E tu, há quanto tempo não és turistas em Belém? Vê o nosso roteiro e prepara já uma visita. Escolhemos 11 locais que tens mesmo de visitar.

1. Torre de Belém

Ícone de Lisboa e do país, a Torre de Belém foi construída no início do século XVI (entre 1514 e 1521) num ilhéu de basalto junto à antiga praia do Restelo. Na altura, era um importante baluarte de defesa do rio, mas nestes cinco séculos de vida teve outras funções, incluindo a de masmorra.

Património da Humanidade pela UNESCO desde 1983, é uma joia da arquitetura manuelina, com vários elementos decorativos associados aos Descobrimentos, como as armas reais, a esfera armilar ou a cruz da ordem de Cristo. Entre as imagens que guarda, destacam-se a de Nossa Senhora do Bom Sucesso, que diziam proteger os navegantes, e a de um rinoceronte, considerada a primeira representação deste animal no Ocidente.

No interior, vale a penas subir ao último piso para admirar as incríveis vistas para o Tejo, para a zona de Belém e para a Margem Sul.

Foto: @unsplash.com/@alexpaganelli

2. Padrão dos Descobrimentos

Construído em 1960 para assinalar os 500 anos da morte do Infante D. Henrique, este imponente monumento em forma de caravela tem 56 metros de altura e 46 metros de comprimento.

Como elemento central surge, precisamente, o Infante D. Henrique, acompanhado por 32 figuras associadas aos Descobrimentos, como o rei D. Afonso V, Vasco da Gama, Pedro Ávares Cabral ou Fernão de Magalhães.

No topo tem um miradouro com vistas únicas para o Tejo, para a Praça do Império, para a Rosa-dos-Ventos situada à entrada do Padrão.


3. Centro Cultural de Belém

O CCB, como lhe chamam os lisboetas, foi construído por ocasião da presidência portuguesa da União Europeia, em 1992. Desde então, é um dos principais dínamos culturais da cidade, recebendo exposições, espetáculos de todas as artes e festivais que atraem milhares de visitantes, com destaque para os Dias da Música. Inclui também o Museu Coleção Berardo de Arte Moderna e Contemporânea, além de lojas e restaurantes virados para o Tejo.

Foto: @centroculturaldebelem

4. Mosteiro dos Jerónimos

Património da Humanidade pela UNESCO desde 1983, é um dos maiores símbolos da arquitetura manuelina portuguesa, construído no século XVI. O seu nome deve-se aos monges da Ordem de S. Jerónimo que o habitaram.

Entre o muito que tem para admirar, destacam-se as fachadas, sobretudo a Porta Sul, a igreja, os claustros e a capela-mor, onde estão sepultados os reis D. Manuel I e o seu filho D. João III. O mosteiro guarda ainda os túmulos do navegador Vasco da Gama e do poeta Luís de Camões.

Foto: www.mosteirojeronimos.gov.pt

5. Museu da Marinha

Numa ala do Mosteiro dos Jerónimos, este museu dá a conhecer o incrível passado marítimo português com a ajuda de milhares de peças. Entre elas estão embarcações, globos antigos, cartas marítimas e instrumentos de navegação. Expõe também uma imagem do arcanjo São Rafael, que acompanhou Vasco da Gama até à Índia.

Foto: ccm.marinha.pt

6. Planetário Calouste Gulbenkian

Inaugurado em 1965, ao lado do Museu da Marinha, o Planetário chama, desde logo, a atenção pela sua cúpula semiesférica que pode ser vista do exterior. La dentro, esta serve de tela a um projetor que recria mais de 9000 estrelas, bem como a Via Láctea, as constelações e muito mais.

Os visitantes podem ainda conhecer uma exposição ligada à astronomia e à aventura espacial.

Foto: @blog.rentthesun.com

7. Jardim Botânico Tropical

Fundado há mais de um século (em 1912), junto ao Mosteiro do Jerónimos, já teve o nome de Jardim Colonial, Jardim do Ultramar e Jardim Agrícola Tropical. Nos seus cinco hectares, guarda mais de 500 espécies de flora, a maioria de origem tropical ou subtropical. Desde o início de 2019 que está encerrado para obras de remodelação.

Foto: museus.ulisboa.pt

8.  Museu de Arte Popular

Inaugurado em 1948, num edifício junto ao Tejo, este museu dá a conhecer a arte popular e etnográfica das várias regiões do país, reunindo um acrevo recolhido desde 1935, durante as Exposições Universais do Estado Novo. Reaberto desde 2016, também acolhe várias exposições temporárias.

Foto: @paulo.c.lopes

9. MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

É um dos mais novos (e vibrantes) museus da cidade, saltando desde logo à vista pela sua arquitetura moderna e envolvente, mesmo em frente ao Tejo.

Lá dentro, vais encontrar inúmeras exposições relacionadas com arte, arquitetura e tecnologia, mas também um vasto programa de eventos e atividades para toda a família.

Além do novo edifício, com quase três mil metros quadrados, o museu integra ainda a antiga Central Termoelétrica de Lisboa, um dos mais importantes exemplos nacionais de arquitetura industrial da primeira metade do século XX.

Foto: @MAAT

10. Museu Nacional dos Coches AAT

Não é por acaso que pode orgulhar-se de ser um dos museus mais visitado do país. Já o era no antigo espaço do Picadeiro Real e continua a ser no novo e moderno edifício, inaugurado em 2015. Aqui, está guardada a mais importante coleção mundial de coches e carruagens reais, com peças que vão do século XVI ao XIX.

Entre elas, destacam-se os coches de Filipe II e da embaixada de D. João V ao Papa Clemente XI. 

Foto: www.museudoscoches.pt

11. Pastéis de Belém 

Ir a Belém e não comer um dos seus famosos pastéis, é quase como ir a Roma e não ver o papa. Desde 1837 que esta casa faz as delícias de locais e turistas, graças a uma antiga (e secreta) receita do mosteiro vizinho. Não te deixes intimidar pelas filas e compra um (se calhar uma caixa até será melhor) porque estes doces são mesmo uma delícia.

Foto: pasteisdebelem.pt

Foto de capa: @onlybyland

Tags: