Uma viagem aos anos 80

Quem alinha numa viagem no tempo?
Sair à noite em Lisboa, há uns trinta anos, tinha como destino obrigatório o Bairro Alto. Bem, não é que hoje não seja assim, mas já temos outras opções. Afinal, na década de 80, não existia o Largo do Intendente nem o Cais do Sodré tal e qual os conhecemos hoje.

Na década de 80, o Bairro Alto era mesmo o palco mais mexido da noite alfacinha. E todos, sem exceção, iam lá parar, de políticos a intelectuais, de modernos a alternativos.

Em 1982, abriu, na Rua da Atalaia, um bar com uma pista de dança, que viria a marcar toda uma geração, o Frágil! Ali juntavam-se artistas, professores e alunos, cineastas, cantores, atores, designers, jornalistas.

E porque é que o Frágil tinha todo esse sucesso? Porque era desses sítios feitos pelas pessoas. Figuras como a Margarida Martins (conhecida na altura por “Guida Gorda”) e Minda Fonseca foram algumas das caras conhecidas que ficavam à porta para decidir quem é que poderia entrar e quem é que teria de ir pregar noutra freguesia.

Guida Gorda por Mónica Freitas

Além das famosas porteiras, o DJ Leonaldo de Almeida, o “Nanau”, era quem embalava aqueles hits todos da década mais musical de sempre. (Ter sido DJ na década de 80 deve ter sido tão bom!)

João Pinto Nogueira e Leonaldo de Almeida – 1985 – Mónica Freitas

Da Atalaia ao Diário de Notícias, a malta da época também dançava no Três Pastorinhos, Artis ou no Bar Bairro Alto. Na mesma altura, no Princípe Real aparecia a primeira discoteca assumidamente gay, o Trump’s. Ali perto, uns anos depois, surgia também o Incógnito com música mais alternativa e indie-rock para um público mais eclético.

Por sua vez, A Lontra começava a ganhar fama pelos seus ritmos africanos até de manhã. E já no final dos anos 80, começaram a aparecer os grandes clubs já com um pezinho de dança para o techno e house, que caracterizou a década seguinte. Assim surgiu em Lisboa um novo eixo nocturno com as discotecas Plateau, Kremlin e Alcântara-Mar.

Mas convenhamos, há coisas que nunca vão mudar, e antes de qualquer pé de dança há que forrar bem o estômago. Na altura, os restaurantes mais badalados eram o Bota Alta, Alfaia, Fidalgo, 1º de Maio, A Primavera, Atalaia, Pap’Açorda, Pile ou Face, Casanostra, Bichano, Tasca do Manel, Baiuca ou El Ultimo Tango.

http://lisboa.convida.pt

Sem dúvida, o Pap’Açorda era o mais movimentado. Aberto desde 1981, fechou as suas portas em meados de 2016. Não foi bem fechar, mudou-se uns metros mais para baixo e hoje em dia está no Mercado da Ribeira. Enquanto esteve na Rua da Atalaia, era mais do que um restaurante. Era um ponto de encontro, era o sítio perfeito para iniciar a noite e para beber um café para dar energia para as próximas horas.

Agora se achas que a indignação da população sobre o fecho de lojas históricas vem de hoje, enganas-te. É que na altura, apesar de não existir a palavra gentrificação, já se reclamava do mesmo.

Quando a Leitaria Garret fechou, houve até obituário no jornal e uma coroa fúnebre contra a “desumanização” do Chiado, como conta o tão completo livro LX 80 da Dom Quixote. Este livro não dá apenas detalhes da noite lisboeta, mas fala também sobre a importância dessa década, logo após a liberdade, na definição daquilo que é hoje em dia a Lisboa que todos nós conhecemos!

Alguns dados curiosos extraídos do livro:

Portugal tinha 9.766.300 residentes, dos quais apenas 0,5% eram estrangeiros

Mulheres tinham o primeiro filho aos 23,6 anos

José Cid ganhou o festival RTP da canção com “Um grande, grande amor” e alcançou o sétimo lugar na Eurovisão

Portugal tinha cerca de 420 cinemas, e o total de espectáculos de música e variedades pouco passava dos 500 num ANO.

E tu, tens alguma memória especial desta época para partilhar connosco? Deixa o teu comentário e marca-nos sempre com a #MinhaLisboaSecreta.

(Visited 12,125 times, 2 visits today)

Tags:

You May Also Like

Há uma estação de metro inspirada em Paris em Lisboa

Já alguma vez reparaste que uma das entradas do metro de Picoas tem todo um ar parisiense? Agora ...

Cursos “maker” em Lisboa: há sempre tempo de aprender algo novo

Lá vai o tempo em que só a Universidade é que ensinava! Hoje, a qualquer momento podemos aprender ...

Panda Bingo, uma experiência…única em Lisboa.

O Panda Bingo pode ser um lugar divertido para alguns, e detestável para outros. E isto não depende ...

';return t.replace("ID",e)+a}function lazyLoadYoutubeIframe(){var e=document.createElement("iframe"),t="https://www.youtube.com/embed/ID?autoplay=1";t+=0===this.dataset.query.length?'':'&'+this.dataset.query;e.setAttribute("src",t.replace("ID",this.dataset.id)),e.setAttribute("frameborder","0"),e.setAttribute("allowfullscreen","1"),this.parentNode.replaceChild(e,this)}document.addEventListener("DOMContentLoaded",function(){var e,t,a=document.getElementsByClassName("rll-youtube-player");for(t=0;t